facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 23 de Junho de 2024
23 de Junho de 2024

28 de Outubro de 2022, 14h:26 - A | A

GERAL / VEJA VÍDEO

Colunista de Cuiabá é vítima de fake news sobre posse de drogas

O comunicador alega que tem sido vítima de notícias falsas compartilhadas em grupos de WhatsApp sem apresentação de provas

DO REPÓRTER MT



O apresentador de TV e colunista social de Cuiabá, Hebert Mattos, tem recebido mensagens e ligações de amigos o informando de que uma mulher tem espalhado mentiras sobre ele, alegando que teria sido preso em posse de drogas na capital.

Ao investigar o que estaria acontecendo, Hebert descobriu que a mulher, iniciais J.M., enviou mensagem em um grupo de WhatsApp dizendo que ele teria sido preso com drogas durante o fim de semana e que estavam “abafando o caso”.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

O apresentador conta que sequer conhece a mulher. “O mais estranho foi ela enviar a mensagem e logo em seguida apagá-la. O que ela pretendia com isso?”, questiona.

Prejudicado com a "fake news" espalhada pela mulher, o colunista decidiu registrar um boletim de ocorrência.

“Não tive outra alternativa a não ser tomar providências para me proteger de tamanha maledicência, registrei um boletim de ocorrência e espero que as devidas providências sejam tomadas, pois isso é crime”, diz ele.

O compartilhamento de informações fraudulentas tem grande consequências, apesar de parecer inofensivo. Criar e compartilhar fake news ou desinformação pode causar danos irreparáveis à carreira, trajetória profissional e pessoal de quem é prejudicado.

Além dos crimes contra a honra, as fake news podem se enquadrar em outros tipos penais, dependendo do seu conteúdo e forma de distribuição.

Hebert acrescenta que irá fazer a representação criminal contra a suspeita.

“Uma pessoa que tem atitudes como essa precisa ser investigada e processada na forma da lei”, finaliza.

Veja o vídeo em que Hebert denuncia o caso:

Comente esta notícia