facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 27 de Maio de 2024
27 de Maio de 2024

14 de Maio de 2024, 11h:40 - A | A

CONEXÃO PODER / LEGADO POLÍTICO

Vídeo resgata trajetória: Amália conta como conseguiu aprovar lei que beneficiou monoculares

Em entrevista ao Conexão Poder ela relatou que tudo começou com uma viagem para Brasília em 2019 e a aproximação dela com a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro que garantiu a articulação pela aprovação e sanção da lei.

APARECIDO CARMO
DO REPÓRTERMT



Amália Barros (PL) se tornou conhecida no país inteiro, especialmente entre a população monocular, depois da aprovação da lei 14.126/2021, que leva o seu nome. Graças ao projeto, aprovado pelo Congresso e sancionado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro, as pessoas que só têm visão de um olho ou que só possuem um olho são reconhecidas como deficientes, assegurando direitos e benefícios que até então não existiam. (Assista abaixo)

Em entrevista para o Conexão Poder, em dezembro de 2022, logo depois de ser eleita para o primeiro e único mandato como deputada federal, Amália contou como começou a luta para a aprovação da lei. 

Durante a sua visita, acabou encontrando com o senador sergipano Rogério Carvalho (PT), que também é monocular, que concordou em apresentar o projeto de lei, que tramitou por dois anos e foi aprovado tanto no Senado quanto na Câmara.

“E aí quando foi para sanção eu falei: ‘não posso correr o risco de o Bolsonaro vetar’. Porque em 2008 o Lula tinha vetado essa lei, já tinha tramitado e aprovado nas duas casas e o Lula em 2008 vetou. Então eu falei ‘não posso correr esse risco agora, como eu vou falar com o Bolsonaro? Já sei, vou atrás de quem manda nele e vou atrás da mulher dele’”, contou Amália.

Com a ajuda do então ministro Fábio Faria, ex-ministro das Comunicações, conseguiu uma reunião de uma hora com a primeira-dama Michelle Bolsonaro, de quem viria a se tornar amiga.

“A gente se conheceu numa terça-feira, quatro da tarde. Cinco horas eu saí de lá. Seis horas ela começa a me seguir no Instagram e me manda uma mensagem ‘estou apaixonada por você’. Aí eu escrevi, ‘eu que estou, primeira-dama’. Ela falou ‘vem jantar em casa amanhã?’. No dia seguinte eu estava jantando com ela e com o presidente na casa deles. E aí começou a surgir nossa relação”, disse a deputada.

Nos dias que se seguiram, Michelle Bolsonaro levou Amália para conhecer os principais ministros do governo na tentativa de conseguir os pareceres favoráveis para a sanção da lei que beneficiaria os monoculares.

“No dia 22 de março de 2021, dia do meu aniversário e aniversário da primeira-dama Michelle, porque a gente faz aniversário no mesmo dia, no dia do nosso aniversário o presidente sancionou a lei. E a lei se chama Lei Amália Barros”, finalizou a parlamentar.

A principal mudança que a Lei Amália Barros trouxe foi o de considerar como deficientes as pessoas que só enxergam com um olho ou que só possuem um olho. Até então, nem mesmo o Sistema Único de Saúde (SUS) fornecia as próteses para esses pacientes.

Confira a entrevista  abaixo:

 

Comente esta notícia