Cuiabá, 30 de Janeiro de 2023
logo

24 de Novembro de 2014, 09h:09 - A | A

VARIEDADES / ALEMÃO

Falso cardeal concelebra missa e se diz parente de Suzane von Richthofen

Segundo Polícia Federal, alemão será deportado em até 15 dias.

G1



Não satisfeito em se passar por cardeal da Igreja Católica, o alemão Wolfgang Schuler, de 66 anos,  ainda afirmou ser parente de terceiro grau de Suzane von Richthofen - condenada a 39 anos de prisão por mandar matar os pais em 2002. Schuler foi detido em 20 de novembro durante a manifestação do dia da Consciência Negra na Avenida Paulista.  De acordo com a polícia, ele circulava por igrejas se apresentando como arcebispo de São Paulo.

O Arcebispo de São Paulo, Dom Odilo Scherer, já havia alertado no início de novembro todos os padres sobre um falso cardeal que circulava por paróquias de São Paulo. Em Mogi das Cruzes, o falsário visitou um mosteiro onde concelebrou uma missa para os religiosos.  De acordo com Dom Emanuele, superior do mosteiro, durante a estadia no local, o alemão disse ser parente de terceiro grau de Richthofen e afirmou que queria visitá-la. Suzane cumpre pena na penitenciária Santa Maria Eufrásia Pelletier, a P1 Feminina de Tremembé, no interior de São Paulo. "Ele chegou aqui no dia 4 de outubro e no dia seguinte disse que era parente da Suzane. Disse também que tinha recebido uma carta dela alguns anos atrás e que ela se queixava que os parentes não a visitavam", diz Dom Emanuele. "Como a moça está em um presídio especial e precisa de licença para entrar, nós entramos em contato com a Pastoral Carcerária, que entrou em contato no presídio com a moça", diz.

>> Clique aqui e participe do grupo de WhatsApp 

Segundo o monge conta, o falso padre ficou esperando a resposta da pastoral no mosteiro. "No fim nós recebemos uma ligação da pastoral dizendo que, em contato com essa moça, ela disse que não conhece o padre, que não tem parente na Alemanha e nem no ambiente religioso", diz Dom Emanuele. O monge conta ter avisado o falso cardeal da resposta no dia seguinte. "Ele estranhou a resposta negativa e foi embora. Pegou o trem para São Paulo", conta. Ainda segundo o monge, o alemão ficou por cerca de três dias em Mogi das Cruzes.

Missa

Durante a estadia no mosteiro, Dom Emanuele diz que o falso cardeal chegou a concelebrar uma missa para os monges. "Ele participou da nossa vida de oração, quando íamos à capela. E na missa participou como padre. Era tudo normalíssimo, como se conhecesse a missa. Ele deve viver muito tempo nessa falsidade e conhece todo o mecanismo ritual".

De acordo com o monge, o falsário chegou a consagrar a Eucaristia e entregar a óstia a dez pessoas. "Cinco homens e cinco mulheres receberam a comunhão. Ele tinha hábitos de padre, usava estola. Ele foi como se fosse mesmo um padre", diz.

Dom Emanuele se sentiu traído ao descobrir que o alemão não era padre. “Eu me sinto traído na confiança que dei a ele durante a hospitalidade. Faz parte do nosso carisma. No Mosteiro de São Bento nós aprendemos que qualquer um que chega e bate na nossa porta pode ser Jesus Cristo e nós acolhemos fraternamente.”

Abrigo
 

Seguindo as orientações da Igreja Católica de acolher sempre os mais necessitados, o Mosteiro da Transfiguração, no bairro do Itapeti, em Mogi das Cruzes, abrigou por três dias o falso cardeal no início do mês de outubro. De acordo com o superior do mosteiro, o falsário se apresentou como integrante da Ordem dos Cartuxos em viagem até o Rio Grande do Sul e pedia abrigo.
O visitante disse ser “Frei André Cardeal von Hohenzollern” e o único documento oficial que ele mostrou aos monges foi seu Registro de Estrangeiro, RE.

Segundo Dom Emanuele, as suspeitas começaram na apresentação do documento de identificação. "Ele me apresentou um documento que não estava o nome de André. Mas como nós religiosos, quando nos tornamos religiosos, mudamos o nome, não estranhei", conta o monge. O superior do mosteiro contou também que o falso cardeal apresentou um Registro de Estrangeiro dos anos 60, o que despertou desconfiança pela data. "Perguntei sobre o documento tão antigo e ele me disse que tinha amigos de alto poder no Brasil que tinham garantido a validade do documento”, se lembra.

Além disso, o monge acrescenta que após Suzane von Richthofen ter negado conhecer o alemão, as desconfianças aumentaram ainda mais. "Depois que ele recebeu a resposta negativa foi embora, mas minha desconfiança foi total. Eu liguei para o superior da Ordem dos Cartuxos para pedir a confirmação da identidade e ele disse que não pertencia à comunidade deles", diz.

O superior do mosteiro se lembra que imediatamente decidiu procurar o bispo da Diocese de Mogi das Cruzes. "Escrevi uma carta ao bispo para denunciá-lo e avisei a Arquidiocese em São Paulo". Ainda segundo Dom Emanuele, o alemão apareceu novamente no mosteiro pedindo por abrigo. "Depois de três dias, ele apareceu ao portão às 23h de novo. Recusamos a sua entrada", afirma.

Entenda o caso

O estrangeiro foi levado para a Superintendência da Polícia Federal na quinta-feira (20) após ter sido detido durante a manifestação do Dia da Consciência Negra, na Avenida Paulista. Segundo a PF, o alemão foi detido pela Polícia Militar por não portar documentos. Durante sua passagem pelo estado de São Paulo, Schuler foi recebido em igrejas, onde se apresentou como visitador apostólico. Segundo a Arquidiocese da capital paulista, ele teria celebrado missas e ouvido confissões em cidades do interior.

O homem que circulava por igrejas se apresentando como arcebispo de São Paulo já respondia pelo crime de falsidade ideológica na Bahia desde 2003. E, por causa desse crime, a Justiça da Bahia autorizou a deportação. Como o falso cardeal poderia desaparecer caso fosse liberado, a PF solicitou na sexta-feira (21) a prisão do alemão para efetivar sua deportação. O pedido foi deferido pela Justiça Federal. A PF também solicitou ao Consulado da Alemanha em São Paulo a expedição de documento de viagem, para a efetivação da deportação.

Alerta

O Arcebispo de São Paulo, Dom Odilo Scherer, divulgou nota no último dia 7 de novembro para todos os padres sobre um falso cardeal que circulava por paróquias de São Paulo. Segundo informações da Arquidiocese, o falsário chegou a ir a Paróquia São Paulo da Cruz (Igreja do Calvário), em Pinheiros, Zona Oeste da capital, e pediu ajuda financeira. O homem negou que tenha cometido algum crime. No comunicado, Dom Odilio diz que o falso padre também se apresentou como monge. Segundo a arquidiocese, ele foi preso duas vezes na Bahia.
De acordo com a Arquidiocese de São Paulo, o falso cardeal foi à casa do cardeal arcebispo Dom Odilo, no bairro da Luz, no Centro da capital, no início do mês. Ele se apresentou como bispo alemão e disse que foi enviado pelo Vaticano para investigar o Clero. Na ocasião, ele pediu dinheiro para se manter.

A Arquidiocese entrou em contato com a Igreja Alemã e descobriu que Dom Franz-Josef Bode, bispo de Osnabrück, dado nome pelo falsário, não tinha vindo ao Brasil. Em seguida, a Arquidiocese registrou um boletim de ocorrência por falsidade ideológica e emitiu o comunicado alertando os párocos. O falso cardeal chegou a se apresentar como Fr. André Cardeal von Hohenzollern, da Ordem dos Cartuxos, Arcebispo nomeado de São Paulo. Ele usava uma túnica e estola no braço.

 

Comente esta notícia

Andre von Hohenzollern 07/12/2014

Em paises democraticos os difamados tem direito a uma resposta. No Brasil nao. Difamacoes, difamacoes, difamacoes ... A verdade 'e muito simples: o Papa recebeu no mes de maio 2014 um relatorio do OPUS DEI dizendo que Dom Odilo Scherer seja um homosexual pedofilo fazendo sexo com criancas homens de seis anos e tambem com seu secretario de 28 anos padre Ricardo. Este ultimo, o 'unico jevem padre valente e nao homosexual da archidiocese ja foi corompido no seminario para Dom Odilo que escolheu-lhe como secretario (D. Odilo 'e o unico bispo brasileiro tendo um padre como secretario a 100 %). Normalmente -- mais infelizmente nada 'e mais normal dentro de nossa igreja agonisante depois o assassinato do Papa Joao Paulo I em 1978, o pontificato de 25 longissimos e interminaveis anos de Joao Paulo II ocupado principalmente junto com o doente de Alzheimer Ronald Reagan para destruir o imperio de Moskwa, e para voltar atras da mudanca das paradigmas do santo Papa Joao XXIII e do Concilio Vaticano II reconduzindo a igreja como com una maquina de tempo de volta para 1940 no tempo do Papa Pio XII amigo de Adolfo Hitler. O papa Francisco quis nomear-me novo arcebispo de Sao Paulo depois a transferencia de Odilo Scherer pela Curia Romana. Somente um arcebispo de Sao Paulo ganha 60.000 Rspor mes e um cardeal da Curia Romana 10.000 Euro. E sexo homosexual se paga carissima em Roma ... Mais questoes??

1 comentários

1 de 1