facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 27 de Maio de 2024
27 de Maio de 2024

26 de Novembro de 2010, 21h:25 - A | A

VARIEDADES /

Cuidados com pastagem triplicam produção do rebanho

PORTAL DO AGRONEGÓCIO



Os pecuaristas brasileiros não estão acostumados a darem importância aos detalhes com cuidados de pastagem. O foco da maioria dos produtores é a alta qualidade genética dos animais, mas sem um bom pasto a genética não dá resultados. Os pecuaristas precisam passar a cuidar do capim como cuidam dos seus animais. O primeiro ponto fundamental é identificar o estado do pasto e saber se ele está saudável, se precisa ser recuperado ou se está tão ruim que precisa ser totalmente reformado. Outra questão fundamental é fazer a adubação correta do pasto com aplicação de calcário e fósforo, na época adequada, e o fertilizante nitrogenado, se o produtor quiser fazer um investimento mais alto. O pastejo rotacionado com a adoção de piquetes também é muito importante para preservar o capim e não deixar que o animal coma toda a planta. Detalhes como o plantio de árvore, para fazer sombras nos dias de sol, e a distância adequada dos bebedouros para que os animais não andem muito são fatores que melhoram o bem-estar do gado, fazem ele se preservar e resultam em aumento de peso.

A pastagem é a base de toda a produção pecuária, seja leite ou carne. Não adianta a gente ter uma boa genética (e o Brasil é campeão de genética) sem pastagem boa. É fundamental que o pecuarista conheça e entenda a sua pastagem. Hoje, nós temos necessidade de se dobrar a produção de carne para atender a demanda brasileira e mundial nos próximos 30 anos. Temos que fazer isso intensificando as pastagens e trabalhando com tecnologia. A forma extrativista que o nosso pecuarista tradicional vinha fazendo não tem mais condições dele sobreviver dessa forma. Ele precisa trabalhar com níveis de produtividade mais altos. Os cuidados com a pastagem permitem triplicar a produção do pecuarista. É assustador a resposta que a gente tem nas pastagens quando agente aduba o solo. Os solos brasileiros são muito deficientes de fósforo, então é fundamental que a gente reponha o fósforo pra que a planta consiga realmente produzir a massa — ressalta Wagner Pires, consultor e sócio-proprietário da DTA Consultoria.

Com um cuidado mais atencioso ao pasto, o pecuarista consegue perceber como o animal está se relacionando com a pastagem e aprende a fazer o diagnóstico correto para fazer a intervenção correta. Os sintomas de degradação são o surgimento de plantas daninhas, queda de fertilidade e surgimento de áreas vazias sem gramínea. Uma questão fundamental é fazer a análise de solo para conhecer de fato o nível que a pastagem se encontra. A partir do resultado encontrado na análise o pecuarista tem condições de saber as necessidades da gramínea e deve fazer uma adubação equilibrada. Muitos produtores acham que a adubação é irrelevante ou muito cara, mas os resultados que ela gera são muito grandes e o retorno financeiro, com a melhor qualidade de alimento ingerida pelo animal, é certo.

A partir do momento que ele diagnosticou o estado que está a pastagem nós vamos atacar as plantas daninhas, melhorar a fertilidade e o pecuarista fica desesperado achando que não tem capital para fazer a adubação. Quando houver necessidade vamos entrar com a calagem na entrada das águas e podemos fazer calagem de reforma da pastagem ou de recuperação. Depois, partimos para a fosfatagem e o pecuarista se assusta com os custos e acaba desistindo. Eu vou mostrar para ele um planejamento de médio e longo prazo para ele fazer uma adubação a cada dois anos usando adubo de baixa solubilidade e melhorando gradativamente a pastagem para finalmente, se ele quiser atingir um nível de alta intensificação, entrar com adubação nitrogenada no pasto dele — explica.

Rotação de pasto

Um ponto muito importante no manejo do pasto é preservar o capim e respeitar o momento de rebrota. O que acontece em muitas fazendas é que os animais vão comendo a gramínea até um ponto em que só sobra basicamente a raiz e com esse dano a planta vai levar três vezes mais tempo para crescer novamente. Isso faz com que o animal tenha um alimento de pior qualidade e o pecuarista perde dinheiro. Para evitar este problema é preciso adotar o pastejo rotacionado com piquetes na propriedade. Dividir o pasto em pequenas proporções faz com que as gramíneas tenham tempo de descanso necessário para rebrotarem e o animal não precisa comer o capim até a raiz porque, na hora adequada, ele será encaminhado para outro piquete.

O pecuarista tem que entender que o capim necessita de um período de descanso para ele rebrotar. O produtor não pode deixar que o animal corte a gramínea abaixo de uma certa altura e cada capim tem a sua altura. É preciso conhecer estas alturas e não deixar o gado cortar o capim abaixo disso porque senão ele danifica a planta. Se isso acontecer, a gramínea vai rebrotar gastando três vezes mais o tempo do que ela necessitaria. O pecuarista consegue fazer esse bom manejo da tendo divisões com pastos menores para preservar a pastagem. A gente se deparar pelo Brasil com pastagens muito grandes e o manejo se torna difícil. Começa a sobrar demais capim ou rapar demais. Mas isso é uma ciência, a gente tem que dividir respeitando uma variação correta, formato sempre visando o conforto do animal para que ele consiga se desenvolver de uma forma sadia e tenha o maior ganho de peso possível. São detalhes importantes que fazem com que o pecuarista consiga ter uma lucratividade maior — enfatiza Pires.

O bem-estar animal também deve ser levado em conta porque pode fazer a diferença entre um animal mais pesado e outro que não conseguiu ganhar tanto peso. Plantar árvores ao longo do pasto provoca sombras onde o animal pode descansar nos dias quentes, o que é muito importante para evitar fatiga do gado. Prestar atenção na localização dos bebedouros e colocá-los em áreas estratégicas para que os animais não tenham que andar muito tempo para chegar até eles também influencia no ganho de peso. Normalmente, o gado vai de três a quatro vezes ao dia beber água e se o local estiver muito longe ele vai ter que gastar mais energia. O dimensionamento do cocho de sal também é importante para ganho de peso satisfatório.


>> Clique aqui e participe do grupo de WhatsApp 

Comente esta notícia