facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 22 de Maio de 2024
22 de Maio de 2024

20 de Setembro de 2010, 23h:31 - A | A

VARIEDADES /

Comércio começa contratar trabalhadores temporários

A Gazeta



Vívian Lessa
Da Redação

Mesmo faltando pouco mais de 3 meses para o Natal o comércio e a indústria mato-grossense já estão se preparando para os contratos temporários deste fim de ano. São justamente as festividades natalina e de virada de ano as responsáveis por aquecer as vendas e o setor empregatício do país. Em Mato Grosso, a Associação Brasileira das Empresas de Serviços Terceirizáveis e de Trabalho Temporário (Asserttem) estima que sejam contratados, inicialmente, 1,195 mil trabalhadores. Conforme a entidade, a previsão para o Brasil, é que neste final de ano 139 mil vagas sejam preenchidas temporariamente por trabalhadores desempregado e/ou que buscam o seu primeiro emprego.

>> Clique aqui e participe do grupo de WhatsApp 

O aquecimento das vendas nos últimos meses serve de termômetro para o aumento no número de contratações temporárias em 2010, conforme prevê representantes dos setores. A Asserttem estima que a procura por trabalhadores temporários aumente 11% na comparação com 2009. Desta forma, os interessados devem agilizar a entrega de curriculum nas lojas e empresa especializadas para contratações. A diretora de Comunicação da Asserttem, Jismália de Oliveira Alves, explica que 70% das contratações são direcionadas para o comércio, enquanto que 30% vão para a indústria.

Ela ressalta que as fábricas costumam contratar antes das lojas do varejo. De acordo com Jismália, 30% dos contratados buscam o primeiro emprego. Ela diz que a ocasião oferece oportunidade de emprego efetivo ou apenas renda extra aos interessados. "De cada 3 trabalhadores temporários, 1 acaba sem efetivado no início do ano". Quanto aos salários, a diretora da Asserttem aponta que o trabalhador do comércio deve ganhar entre R$ 650 a R$ 890 por mês, enquanto o contratado da indústria irá receber a média de R$ 1,2 mil mensais.

O presidente da Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt) Jandir Milan, confirma que já começou as contratações para este fim de ano. Ele diz que as indústrias dos segmentos de confecção, alimentos e bebidas são as que mais necessitam de trabalhadores nesta época. No comércio, o vice-presidente da Federação do Comércio de Mato Grosso (Fecomércio-MT), Hermes Martins, explica que as contratações devem ocorrer após o período eleitoral. Mas ele aponta que os trabalhadores já podem procurar as lojas para se informar das vagas.

A diretora da RHBrasil em Cuiabá, Josiane Gimenes, diz que o trabalhador deve já levar ou atualizar o seu curriculum. "Ficar atento, principalmente, se o número do celular ou telefone mudou". Ela explica que entre setembro e dezembro as lojas normalmente fazem várias seleções. Entre as grandes lojas de Cuiabá e Várzea Grande, Josiane diz que, a princípio, é demandado a contratação de 100 trabalhadores. "O fim de ano é uma época em que as empresas aproveitam para conhecer novos trabalhadores".

A proprietária das lojas Isabela Modas, Rachel Crestani, complementa que o fim de ano é o melhor momento para adequar o seu quadro de profissionais. Ela afirma que costuma contratar trabalhadores para diversas atividades, como para vendas, reposição, fiscal de lojas, etc. Segundo a empresária, neste ano, haverá aumento no número de funcionários em torno de 20%. "Nas 4 lojas de Cuiabá devemos contratar entre 20 a 25 novos empregados".

Já o proprietário das lojas Moda Verão, Ademar Vidotti, afirma que vai contratar cerca de 50 funcionários temporários, mas que este ano o processo seletivo será um pouco mais tardio, em decorrência das eleições. "Mas quem quiser já pode deixar o currículo em uma das nossas 11 lojas distribuídas entre Cuiabá e Várzea Grande", diz ao empresário ao informar que a quantidade de trabalhadores temporários é semelhante de um ano para outro, e representa cerca de 20% do quadro funcional que atualmente é de 250 pessoas.

Para as vagas que serão ofertadas, Vidotti adianta que são principalmente para vendedores e operadores de caixa, de ambos os sexos, que serão treinados para trabalhar de acordo com o padrão da rede. "O que não pode faltar são características como boa comunicação e disposição para trabalhar".

Para os que estão de olho nas oportunidades e caso não for chamado logo no mês de outubro, o proprietário da Moda Verão tranquiliza. "As contratações vão ocorrer em outubro, novembro e começo de dezembro, de acordo com a demanda". Outra boa notícia é sobre as efetivações. Vidotti informa que na rede Moda Verão, cerca de 20% dos trabalhadores temporários são efetivados, como é o caso de Magda Vanda Gomes, 30. Ela conta que após 24 dias de experiência soube que seria efetivada pela empresa. A trabalhadora destaca que o esforço e a dedicação foram responsáveis por ser recompensada com a contratação efetiva.

Jonathan Azevedo, 23, também teve a experiência de passar por temporário e ter sua carteira assinada. Ele lembra que no final do ano passado estava desempregado a procura de qualquer serviço. "Quando fui contratado para a atender a demanda de fim de ano não imagina que seria efetivado".

Shoppings - Outra pesquisa que também aponta perspectivas para as contratações de fim de ano é feita pela Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) que prevê 130 mil trabalhadores temporários no varejo para o fim do ano no país. Entre os três shoppings de Cuiabá a previsão é que sejam contratados aproximadamente 1 mil trabalhadores. Segundo o gerente de Marketing do Pantanal Shopping, Alfredo Zanotta,o número de vagas deve chegar à marca de 600 novos funcionários. A maioria das vagas é para vendedores, que preencherão cerca de 70% do número total de empregos temporários. No Goiabeiras, as contratações devem variar entre 300 e 500 pessoas. É o que afirma o superintendente, Adilson Marante. O Três Américas deverá também aumentar o número de trabalhadores. No entanto, o superintendente do Shopping 3 Américas, José Júlio Cantino, não soube precisar a demanda.

Comente esta notícia