Cuiabá, 30 de Junho de 2022
logo

Quarta-feira, 26 de Outubro de 2011, 11h:22 - A | A

R$ 14 MILHÕES

Parlamentares convocam Secopa a prestar esclarecimentos

O dinheiro foi utilizado na aquisição de carros e equipamentos russos com a dispensa de licitação

FERNANDA LEITE

Os parlamentares aprovaram na manhã desta quarta-feira (26) o requerimento a pedido do deputado estadual Percival Muniz (PPS), que pede informações sobre a aquisição de carros e equipamentos russos sem licitação no valor de R$ 14 milhões. O dinheiro foi pago com recursos da extinta Agecopa a serem utilizados nos mais de 800 quilômetros de fronteira de Mato Grosso com o país vizinho, a Bolívia.

“O valor daria para comprar 10 aviões. Além disso, os veículos Land Rover não são de ponta. Isso vai dar problema feito os escândalos dos maquinários. Tem cheiro de impunidade”, apontou Muniz.

O líder do governo na AL, Romoaldo Júnior, em nome do governo defendeu a compra dos veículos. Ele propôs em convocar o secretário adjunto de Projetos Especiais da Secopa, Jeferson de Castro, em prestar informações em relação à compra dos equipamentos já que o mesmo participou das negociações e aquisições dos equipamentos  russos. “São equipamento de alta tecnologia, não se pode vender a imagem de que o governo comprou só um carro e sim equipamentos de tecnologia”, frisou a liderança política.

O deputado Walter Rabello (PSD) também se manifestou contra a postura do governo. Ele disse que os recursos poderiam ser alocados na área da saúde e segurança pública da Capital e região metropolitana. “Não tem dotação orçamentaria para atender ao pedido da sociedade, mas comprar dez carros por R$ 14 milhões tem? Isso não está explicado. Não tenho  nada contra Eder Moraes, mas ele tem que  se explicar também”, criticou o deputado tucano.

O líder do governo informou que o estado assinou um protocolo em julho deste ano com a União para  cuidar da fronteira com o país vizinho.

WAGNER RAMOS

O deputado Wagner Ramos (PR), que presidia a Comissão de Acompanhamento da Copa, deixou o cargo. Ele alegou falta de transparência da secretaria para tomar a decisão.

Comente esta notícia