Cuiabá, 29 de Janeiro de 2023
logo

29 de Novembro de 2014, 16h:55 - A | A

POLÍTICA / CORTES NO ALENCASTRO

Demissão de 500 servidores anunciada por Mendes deve ocorrer apenas em 2015

A reforma administrativa ocorre devido à instabilidade financeira do país e por causa da queda na arrecadação.

ANA ADÉLIA JÁCOMO
DA REDAÇÃO



O presidente da Câmara de Vereadores de Cuiabá, Júlio Pinheiro (PTB), afirmou que a proposta de demitir 500 servidores comissionados do município só será aprovada pela Casa para ocorrer a partir de 1º de janeiro de 2015.

O prefeito Mauro Mendes (PSB) apresentou projeto de reforma administrativa prevendo a extinção de sete secretarias e a redução dos cargos, com o objetivo de economizar R$ 15 milhões dos cofres públicos.

A proposta terá que passar por todas as comissões permanentes da Câmara, e o presidente garante que a votação será realizada ainda este ano. O único ponto que será levado para 2015, segundo Júlio Pinheiro, é a previsão das demissões.

“Na votação desse projeto vamos colocar uma emenda para que as demissões só passem a vigorar a partir de 1º de janeiro. Todos terão final de ano tranquilo, com seu salário no bolso. Poderão ter essa tranquilidade”.

O líder do prefeito na Casa, vereador Leonardo de Oliveira (PTB), declarou que a previsão de 500 demissões e o corte nas pastas é uma atitude de “coragem” de Mendes. Segundo ele, a crise na arrecadação e as projeções financeiras para 2015 fizeram com o chefe do Executivo tomasse a decisão de “cortar na carne” para tentar economizar.

“A reforma é necessária justamente pela baixa arrecadação e pela previsão do futuro, que não é tão brilhante. Não era isso que o prefeito queria, mas como a arrecadação caiu, ele tem que ‘cortar da própria carne’, tem que cortar e reduzir. Se a arrecadação aumentar, com certeza, ele vai aumentar o número de técnicos pra poder atender a cidade. Cada corte desses afeta uma ou outra categoria. É normal, e o gestor tem que ter coragem”, completou o vereador.

Atualmente são 800 cargos comissionados na Prefeitura. Com o corte focarão apenas 300 pessoas na ativa por contratos de DAS. Com relação as demissões de primeiro escalão, o prefeito disse que por enquanto, vai esperar a proposta ser aprovada na Câmara para fazer o anúncio de quais secretários serão exonerados ou remanejados para outras funções.

Tais medidas foram tomadas devido à instabilidade financeira do país e por causa da queda na arrecadação.

Comente esta notícia

COSTA 01/12/2014

ESSE NEGOCIO DE DEMISSÃO DE 500 FUNCIONÁRIOS COMISSIONADOS ERA SÓ CONVERSA FIADA,, OS APADRINHADOS POLÍTICOS JÁ DERAM UM PRENSA NO PREFEITO,PRINCIPALMENTE OS VEREADORES. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

1 comentários

1 de 1