facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 23 de Junho de 2024
23 de Junho de 2024

31 de Outubro de 2022, 16h:40 - A | A

POLÍCIA / EFEITO LULA

PRF: Tropas de choque estão prontas para intervir e desbloquear rodovias em MT

Protestos estão ativos em dez trechos de três rodovias federais em MT

JOÃO AGUIAR
DO REPÓRTER MT



A Polícia Rodoviária Federal (PRF) já está tomando medidas mais drásticas para acabar com os bloqueios nas rodovias federais que cortam Mato Grosso. Atualmente, conforme a PRF, há cerca de 17 pontos de bloqueio em todo o estado. Os caminhoneiros protestam contra a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à Presidência do Brasil.

Em conversa com o Repórter MT, Arthur Nogueira, inspetor da PRF e ex-superintendente da corporação, afirmou que, no momento, as equipes estão fazendo as negociações com os caminhoneiros de forma pacífica, mas não descarta o uso da força.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

“Primeiro vamos à negociação de maneira pacífica e ordeira, sem uso da força. Uma vez não tendo sucesso, começa a ficar uma situação de estresse por conta do tempo de interdição e a questão do direito de ir e vir de todo cidadão. Os ânimos começam a se acirrar”, afirmou.

Leia mais

Mato Grosso tem 8 rodovias bloqueadas; caminhoneiros usam aterro para impedir passagem

Conforme a avaliação da PRF, os manifestantes estão aguardando uma posição do presidente Jair Bolsonaro (PL), derrotado no segundo turno. “Estão esperando um pronunciamento com relação ao processo eleitoral. Vão ficar enquanto não acontecer isso”, explicou Arthur Nogueira.

Nogueira disse ainda que em Cuiabá já há equipes armadas a postos, prontas para intervir nos bloqueios. Além disso, também foi solicitado reforço, para o caso de necessidade. “Cuiabá já está com três equipes prontas. O momento em que o superintendente determinar, já faz a desobstrução” disse.

“Mas a gente tem que agir com inteligência estratégica. A gente precisa de um número de equipes que façam concomitantemente, ao mesmo tempo, a liberação nos principais pontos, onde têm mais pessoas, mais duto de veículos, que é na BR-163”, continua.

Apesar disso, Nogueira acredita que os bloqueios devam acabar até esta terça-feira (1º). “Nós acreditamos que isso é só um momento de frustração com o resultado das eleições. Nas próximas horas eles tomaram essa consciência de que é preciso aceitar. Se não hoje no máximo amanha [deve acabar]”, salienta.

Bloqueios

O último boletim divulgado pela concessionária Rota do Oeste aponta que existem 10 pontos de interdições na BR-163, BR-070 e BR-364 em Mato Grosso.

De acordo com a concessionária, os trechos com manifestação na BR-163 são:

Em Nova Mutum, são dois trechos interditados - nos kms 594 e 601. Lá, estão liberando somente ônibus e ambulâncias e o sentido norte foi liberado às 7h57.

Em Lucas do Rio Verde, o bloqueio acontece no km 691. Neste ponto, os manifestantes estão liberando a passagem de ônibus, ambulâncias e carros de passeio com passageiros que estejam com consulta marcada.

Na cidade de Sorriso existem dois pontos bloqueados, sendo nos km 713 e 746. Nesses dois pontos, foi vedada a passagem de qualquer veículo.

E em Sinop, a interdição acontece no km 835. A Rota explicou que os manifestantes estão tomando o perímetro urbano com o ato.

Em Cuiabá, o protesto acontece na BR-364, no km 395. No ponto em questão, os manifestantes estão liberando a passagem de veículos com carga viva, ambulâncias, ônibus e carga perecível.

Já na BR-070, o ato acontece no km 524, região conhecida como Trevo do Lagarto, em Várzea Grande. Os sentidos sul e norte foram bloqueados por pneus queimados e veículos dos próprios usuários. Na região, está sendo liberada a passagem de veículos de passeio, ambulâncias e perecíveis.

Os atos contra a vitória de Lula começaram na noite de domingo (30). Os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) pedem que o Exército Brasileiro tome a administração do Brasil para impedir que o candidato eleito assuma em 2023.

Comente esta notícia