facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 15 de Julho de 2024
15 de Julho de 2024

16 de Junho de 2024, 08h:36 - A | A

PODERES / RECADO PARA ONGS

"Se não tiver doações, a máscara vai cair", diz Mauro sobre criação de fundo para preservação do meio ambiente

O governador sancionou na última quinta-feira (13) a lei 12.548, que cria o Fundo de Apoio às Florestas.

FERNANDA ESCOUTO
REPÓRTERMT



O governador Mauro Mendes (União) afirmou nesta semana que se o Fundo de Apoio às Florestas (Forest Friends Fund – 3F) não receber doações, “a máscara daqueles que falam que se importam com o meio ambiente, vai cair”.

Mauro sancionou na última quinta-feira (13) a lei 12.548, que cria o Fundo de Apoio às Florestas (Forest Friends Fund – 3F), que tem como objetivo arrecadar fundos de órgãos, ongs, empresas, cidadãos e países estrangeiros para financiar ações de conservação natural em Mato Grosso.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Leia mais: Mauro sanciona lei que cria fundo para arrecadar dinheiro de ONGs e países estrangeiros

Os recursos serão geridos pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema). As ações previstas incluem destinação de recursos para a regularização fundiária, manutenção das unidades de conservação mantidas pelo Estado, além do custeio de indenizações de propriedades desapropriadas para a criação de novas unidades de conservação

"Se não tiver doações, a máscara deles vai cair"

Quem quer ajudar a preservar, tem que ajudar a pagar essa conta. Esse fundo só pode ser usado exclusivamente para preservar ou criar parques, fazer preservação ambiental. Quem está preocupado tanto assim com o meio ambiente, que ajude a pagar a conta”, disse Mauro em entrevista ao Poder 360.

Se não tiver doações, vamos desmascarar, a máscara vai cair. Então é mentira que estão preocupados. Sendo assim, não vem apontar o dedo para o Brasil, apontar o dedo para Mato Grosso dizendo o que temos que fazer. Queremos preservar, mas dentro da lei brasileira, que se chama Código Florestal”, pontuou.

O fundo terá um Conselho de Administração, com função normativa e deliberativa, cuja composição e número de integrantes deverá ser definido posteriormente, por meio de decreto do Governo do Estado. Os integrantes do conselho não receberão nenhum tipo de remuneração e os doadores terão direito à voz nas deliberações.

Ainda na entrevista, o governador ressaltou novamente a defesa por leis ambientais mais duras.

Eu defendo, por exemplo, que se aplique ao desmatador que descumprir a lei o mesmo tratamento que está na Constituição, que ele perca a terra”, concluiu.

Comente esta notícia