Cuiabá, 29 de Novembro de 2022
logo

15 de Janeiro de 2017, 18h:00 - A | A

PODERES / PROPINA DE R$ 700 MIL

Oscar diz que Riva e Nadaf tramaram denúncia contra Luciane Bezerra na cadeia

Deputado argumenta que denúncias de ex-secretário e ex-deputado foram para prejudicar candidatura de sua mulher à Prefeitura de Juara

RAFAEL DE SOUSA
REDAÇÃO



O deputado Oscar Bezerra (PSB), disse ao que a denúncia contra sua mulher e prefeita de Juara, Luciane Bezerra (PSB), que supostamente teria recebido R$ 700 mil em propina do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), foi tramada pelo ex-secretário Pedro Nadaf e o ex-deputado José Riva dentro do Centro de Custódia da Capital (CCC), onde ambos ficaram presos por crimes de corrupção. 

“Diga-se de passagem, Nadaf e Riva eram vizinhos de cela. É natural que as pessoas plantem [informações] para tentar desestabilizar. Essa notícia ‘saiu’ uma semana antes da eleição de Juara”, declarou o deputado.

Em depoimento à Justiça, Nadaf disse que o montante seria referente a um empréstimo feito pela ex-deputada à campanha do peemedebista, em 2010.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Segundo Oscar, os dois acusados de desvio de dinheiro público sempre foram oposição ao casal e, por isso, podem ter 'armado’ para prejudicá-los politicamente. Ele argumenta que à época, o então pré-candidato a prefeito de Juara era o irmão de José Riva, Priminho Riva.

“Diga-se de passagem, Nadaf e Riva eram vizinhos de cela. É natural que as pessoas plantem [informações] para tentar desestabilizar. Essa notícia ‘saiu’ uma semana antes da eleição de Juara”, declarou o deputado.

Na denúncia, o ex-secretário de Estado, Pedro Nadaf, conta ao Ministério Público do Estado (MPE) que Luciane Bezerra sabia que o suposto montante devolvido à ela, por meio de cheque, havia sido fruto do desvio de recursos da desapropriação do Bairro Jardim Liberdade, que foi alvo da Operação Sodoma 4.

No entanto, em relatório técnico sigiloso, consta a localização de um cheque da empresa SF Assessoria e Organização de Eventos Eirelli ME depositado na conta corrente da empresa J. Lisboa da Hora EPP, no dia 15 de maio de 2014, bem como uma procuração emitida por essa empresa para Celso Ricardo Borba Azóia, que é irmão de Luciane.

Diante dos apontamentos, o deputado lembra que esta não é a primeira vez que Luciane é citada por réus de processos criminais como recebedora de dinheiro ilícito.

Em abril deste ano, o ex-deputado José Riva acusou Luciane Bezerra de ter recebido R$ 50 mil, que seria fruto de desvios de R$ 9,4 milhões da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, fato que foi apurado na Operação Ventríloquo, deflagrada em julho do ano passado pelo Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco).

“O Riva falou que deu R$ 50 mil. Agora, fechou a investigação daquele inquérito e ela não foi citada como Riva tinha colocado”, diz o deputado.

Inquérito

Quanto à denúncia de Nadaf, o MPE só abre processo contra Luciane, caso haja consistência de provas, o que ainda não ocorreu.

Comente esta notícia

Samuca 16/01/2017

Mentira porque nos autos estao cheques na conta do irmao dela depositados de propina

1 comentários

1 de 1