Cuiabá, 30 de Janeiro de 2023
logo

14 de Novembro de 2014, 09h:11 - A | A

NACIONAL / INSEGURANÇA PÚBLICA

Dona de pousada em Natal é achada morta; polícia não descarta homicídio

Arlete Aparecida Ribeiro, de 47 anos, foi encontrada enforcada nesta quinta.

G1



Uma empresária de 47 anos, dona da pousada Varandas da Praia, que fica no bairro de Ponta Negra, na Zona Sul de Natal, foi encontrada morta na noite desta quinta-feira (13). Segundo a polícia, o corpo de Arlete Aparecida Ribeiro estava dentro do depósito da pousada, dependurado e com um fio de ferro de passar roupas enrolado no pescoço. Contudo, para o delegado Roberto Andrade, da Delegacia Especializada em Homicídios, a possibilidade de ter ocorrido um assassinato não está descartada.

Arlete Aparecida Ribeiro, de 47 anos (Foto: Arquivo Pessoal)Arlete Aparecida Ribeiro, de 47 anos
(Foto: Arquivo Pessoal)

“Somente os laudos periciais e diligencias poderão apontar se ela cometeu suicídio ou se foi morta por alguém”, afirmou o delegado. Andrade contou ao G1 que foram o marido e sócio de Arlete, que é italiano, e o filho do casal, um garoto de 10 anos, quem encontraram o corpo e chamaram a polícia. “O menino procurou pela mãe. Como a porta do depósito estava fechada e ela não respondia aos chamados, ele pediu socorro ao pai. O estrangeiro conseguiu abrir a porta e a encontrou pendurada com o fio enrolado no pescoço. Porém, ela estava com os pés no chão, numa situação de enforcamento incompleto”, relatou.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Ainda de acordo com o delegado, a situação de suicídio não está totalmente caracterizada. Ele considera que existe a possibilidade de a mulher ter sido morta e a cena forjada para dar a entender que ela havia tirado a própria vida. “Ainda não podemos afirmar com clareza o que aconteceu. A perícia é quem vai nos dar as respostas”, reafirmou Andrade.

O delegado contou também que há câmeras de vigilância na pousada, mas o equipamento não estava funcionando. “Nem monitorando nem gravando”, ressaltou.

O G1 ligou para o italiano na manhã desta sexta-feira (14), mas ele se recusou a comentar o caso.

Comente esta notícia