Cuiabá, 30 de Janeiro de 2023
logo

24 de Dezembro de 2014, 15h:40 - A | A

GERAL / FERNANDO CORRÊA ALAGADA

'Se o VLT estivesse pronto, tinha parado naquele dia de chuva", diz secretário de Obras

Durante a entrevista o secretário frisou várias vezes que já havia previsto esse problema há anos, mas nem o consórcio do VLT, nem a Secretaria da Copa (Secopa) tomaram as providências cabíveis.

MARCIA MATOS
DA REDAÇÃO



O secretário de Obras Públicas de Cuiabá, Marcelo Oliveira, pontuou em entrevista ao programa Conexão Poder, do último domingo (21), que a determinação de não permitir nenhum avanço da obra do VLT sobre as ruas da capital partiu do prefeito Mauro Mendes (PSB), que exige que o consórcio da obra apresente um projeto executivo de drenagem de águas pluviais nos pontos em que o modal irá passar. 

Segundo o secretário, o objetivo é evitar que o trecho tenha problemas de alagamento, como vem ocorrendo no viaduto da UFMT, onde no dia 12 os carros que transitavam ficaram praticamente debaixo d’água.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

"É que aconteceu aquilo que eu vinha falando há dois anos".

Durante a entrevista, o secretário frisou várias vezes que já havia previsto esse problema há anos, mas nem o consórcio do VLT, nem a Secretaria da Copa (Secopa) tomaram as providências cabíveis.

“Não é questão de poder barrar, é que aconteceu aquilo que eu vinha falando há dois anos. Initerruptamente, eu vinha falando: eu quero o projeto de drenagem”, relatou.

Marcelo Oliveira ainda criticou a falta de responsabilidade em deixar prejudicada uma obra bilionária.

“Você vai gastar um R$ 1.5 bilhão e não vai resolver um problema que você pode resolver com menos de 1%? É inadmissível vocês com o modal mais moderno, o primeiro da América Latina, e você ter que parar o modal por causa da água. E eu estava com a razão, porque se o modal estivesse pronto e entregue, ele teria parado naquele dia que deu aquela chuva aqui em Cuiabá”, criticou.

No programa, o secretário aproveitou para mostrar as notificações encaminhadas à Secopa pela falta do projeto e lembra que alertou o governador Silval Barbosa (PMDB) para o problema do alagamento, que conforme suas análises devem continuar ocorrendo.

"E eu estava com a razão, porque se o modal estivesse pronto e entregue, ele teria parado naquele dia que deu aquela chuva aqui em Cuiabá”.

“Foram quatro ou mais notificações, mais atas de reunião, mais respostas e eles sempre ‘levando com a barriga’. Eu disse vai dar problema. Nós estamos entrando num período de chuvas. Nós vamos ter mais cinco ou seis chuvas iguais a essa e vamos ter problemas naquela região. Não adianta a pessoa vir e dizer: ah porque não limparam a boca de lobo? Aquele não é problema de limpeza de boca de lobo”, disparou.

Quanto à resolução do impasse sobre a falta do projeto de drenagem de águas pluviais, o secretário afirma que assim que tiver assumido o secretariado do próximo governo, irá procurar quem ficar responsável pela continuidade das obras da Copa, para cobrar a execução do mesmo.

 

Comente esta notícia