Cuiabá, 29 de Janeiro de 2023
logo

10 de Novembro de 2014, 17h:25 - A | A

GERAL / HUMILHADO NO ATACADÃO

OAB/MT emite carta de repúdio e estende apoio a advogado ofendido

Advogado com deficiência foi impedido de usar caixa especial no Atacadão

DA REDAÇÃO



A diretoria da OAB/MT e a Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência repudiaram a humilhação sofrida pelo advogado Schinaider Gomide, de 41 anos, dentro do Atacadão, no último sábado (8). Em nota, a OAB/MT se solidarizou com os atos de ofensas sofridos contra Gomide.
 
O presidente da Seccional, Maurício Aude, falou pessoalmente com Schinaider Bonfim Gomide para oferecer todo o apoio necessário e colocou a comissão presidida pelo advogado Carlinhos Batista Teles, à disposição.
 
Para o presidente da OAB/MT, “esse tipo de generalização é algo que combatemos de forma veemente em todas as esferas de poder e em órgãos públicos e não podemos aceitar declarações que denigrem a imagem do profissional da advocacia. Além de desconfiar injustamente do profissional, o gerente demonstrou preconceito com a classe e falta de preparo. Repudiamos o fato e reiteramos que a OAB/MT está à disposição para as medidas necessárias”.
 
Entenda o caso
 

Ao RepórterMT, Schinaider Gomide contou que é portador de deficiência física por ter um encurtamento em uma das pernas e, após fazer compras, se dirigiu até o caixa especial. O segurança - identificado apenas como Júnior - questionou o motivo pelo qual ele estava na fila, e exigiu que ele falasse a sua deficiência, já que ele não via.

O cliente, então, apresentou sua Carteira Nacional de Habilitação, onde consta a observação de deficiente. Não satisfeito, o segurança voltou a questionar qual era a deficiência. Constrangido e com todos na fila olhando, Shinaider pediu para falar com o gerente. Ao explicar a situação para o gerente, identificado como Gilberto, viu o dirigente defender o segurança.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Gilberto continuou perguntando qual seria a deficiência. Constrangido, o cliente disse que, por ser advogado, conhece seus direitos e não tem obrigação de falar publicamente já que mostrou um documento que comprovasse sua condição. O gerente respondeu:  "o documento não vale de nada para ele e que todo advogado faz isso". 

OUTRO LADO

A rede lamenta o ocorrido e esclarece que reforçou com seus colaboradores os procedimentos adotados pela empresa, que atendem estritamente ao Código de Defesa do Consumidor e demais legislações vigentes. A companhia informa ainda que distribui a todos os seus colaboradores manuais de conduta e de valorização da diversidade. A empresa reforça seu compromisso em oferecer o melhor atendimento a todos os clientes nos municípios onde atua.  

Comente esta notícia

Alexandre Padilha 12/11/2014

Esse Schinaider não é aquele mesmo que estava envolvido no caso da Jacy Proença, onde ele forneceu notas frias para ela justificar saídas de dinheiro da prefeitura de Cuiabá? É bom dar uma verificada pois ao que me consta este senhor também era prestador de serviço para o Atacadão. Em momento algum ele fala do assunto né? Muito estranho... muito estranho

Arnaldo Medina OAB-MT12.914 10/11/2014

Humilhação é na SEMA. Lá, advogados, engenheiros florestais ,produtores rurais etc. são tratado como delinquentes e ninguém toma nenhuma providência. Governador Pedro Taques, por favor passe uma tarde lá e converse com as pessoas que dependem da SEMA. Haja incompetência e burrice.

2 comentários

1 de 1