facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 23 de Junho de 2024
23 de Junho de 2024

02 de Dezembro de 2022, 12h:00 - A | A

GERAL / REFERÊNCIA NACIONAL

Etnoturismo é fonte de renda e orgulho para indígenas de Mato Grosso

Aldeias indígenas do Centro-Oeste encontram no turismo forma de complemento à renda, em meio às belezas exuberantes do local

ANA FLÁVIA CASTRO
METRÓPOLES



Em Campo Novo dos Parecis (MT), oito aldeias indígenas abrem as portas do próprio “quintal” para apresentar seus ritmos, ritos e belezas naturais da região para os turistas. A prática, denominada etnoturismo, é também complemento de renda para a população Haliti-Paresi, que vive principalmente da agricultura — onde peixes e caça são cada dia mais raros por conta do avanço das lavouras.

Na porta de entrada para viver uma imersão na cultura desse povo, a natureza abraça o visitante como um oásis em meio às terras agrícolas que compõem a paisagem predominante no estado. O município pertence à região que abriga duas terras indígenas (TI) da mesma etnia: Utiariti e Paresi, com mais de 1 milhão de hectares e 65 aldeias, das quais 17 estão em Campo Novo.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Mais que uma imersão cultural, o tempo percorrendo os pelo menos 35 quilômetros de estrada de terra permite ao visitante despir-se dos estigmas, preconceitos e valores arraigados. O tempo é suficiente para abrir caminhos em busca de conhecer a riqueza das tradições, rituais de passagem, artes de batalha, técnicas agrícolas e artesanato, típicos da etnia.

O povo Haliti-Paresi tem uma tradição milenar na região localizada no divisor das águas das bacias do rio Amazonas e do rio Paraguai, no ponto de encontro entre a Floresta Amazônica e o Cerrado. Atualmente, as TIs abrigam representantes dos subgrupos Kozarene, Waymare, Katxiniti, Warere, Kahete e Enomaniyere. Leia mais em METRÓPOLES

Comente esta notícia