Cuiabá, 01 de Fevereiro de 2023
logo

19 de Dezembro de 2014, 06h:17 - A | A

POLÍTICA / POR UNANIMIDADE

Câmara aprova LOA e Mendes terá R$ 2,45 bilhões em 2015

A LOA fixa um orçamento de R$ 2,45 bilhões para o próximo ano, onde as prioridades serão saúde, educação e a continuidade do programa de asfaltamento Novos Caminhos. Ao todo, 21 dos 25 vereadores aprovaram o projeto, enquanto que 4 parlamentares estavam

DA REDAÇÃO



A Lei Orçamentária Anual (LOA) do próximo ano para a prefeitura de Cuiabá foi aprovada por unanimidade pela Câmara dos Vereadores sem nenhuma emenda.
 

A LOA fixa um orçamento de R$ 2,45 bilhões para o próximo ano, onde as prioridades serão saúde, educação e a continuidade do programa de asfaltamento Novos Caminhos.  Ao todo, 21 dos 25 vereadores aprovaram o projeto, enquanto que 4 parlamentares estavam ausentes.

Para conseguir fechar as pautas do ano de 2014 e votar a LOA do próximo ano, os parlamentares trabalharam durante todo esta quinta-feira (18). Foram cinco sessões sendo duas delas destinadas para a aprovação da norma. Na oportunidade, foram apreciados 25 projetos de autoria do Executivo Municipal.

A LOA 2015 foi aprovada com duas emendas. Conforme explicou o vereador Allan Kardec (PT), a bancada do PT formada por ele e Arilson da Silva, conseguiram incluir no orçamento recursos para equipar a UPA do Pascual Ramos, prevista para ser inaugurada até a metade do ano de 2015, e para a realização do censo de população de rua de Cuiabá.

“É um recurso pequeno para o censo, R$ 40 mil, porque sempre ficamos na estimativa e não sabemos quantos têm”. O levantamento da população de moradores de rua deverá ser realizado pela Secretaria de Assistência Social do Municipal.

A demora para a aprovação da LOA de 2015 se deu devida a reestruturação administrativa promovida pelo Prefeito Mauro Mendes (PSB) em que foram suprimidas sete secretarias. A intenção do Executivo é tentar cortar gastos uma vez que prevê dificuldades financeiras do próximo.

O primeiro texto da norma previa um orçamento menor, de R$ 1.913 bilhão, mas foi majorado para R$ 2.045 bilhão depois de remanejamento orçamentário e contrapartida de aproximadamente R$ 80 milhões do executivo para o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Já os recursos para a Saúde previstos primeiramente estimados em R$ 536 milhões aumentaram para R$ 583 milhões. Com Gazeta Digital

 

 

Comente esta notícia