facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 19 de Junho de 2024
19 de Junho de 2024

09 de Junho de 2024, 14h:10 - A | A

POLÍCIA / ALVO DA RAGNATELA

Vereador usava dinheiro de sindicato para comprar bebidas alcoólicas, cigarro e abastecer carro, revela PF

Há muitos registros de notas fiscais de postos de combustíveis, entretanto não existe nenhum veículo registrado no nome do Sindarf, no qual Paulo Henrique é presidente.

FERNANDA ESCOUTO
DO REPÓRTERMT



Investigações da Polícia Federal apontaram que o vereador de Cuiabá Paulo Henrique (MDB), alvo da Operação Ragnatela, que apura um esquema de lavagem de dinheiro para a facção Comando Vermelho, teria utilizado dinheiro do Sindicato dos Agentes de Regulação e Fiscalização de Cuiabá (Sindarf), onde exerce a função de presidente, para comprar bebidas alcóolicas, cigarros e abastecer o carro.

Conforme a Polícia Federal, há muitos registros de notas fiscais de postos de combustíveis, entretanto não existe nenhum veículo registrado no nome do Sindarf, o que seria uma evidência que Paulo Henrique usaria o sindicato para uso pessoal.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Leia mais - Vereador usou dinheiro de sindicato para comprar bolsa de luxo, diz Polícia Federal

Também consta nas investigações que o vereador teria se utilizado das contas do sindicato para comprar itens de luxo, como uma bolsa no valor de R$ 5,9 mil.

A relação de PAULO HENRIQUE com o SINDARF, entidade que preside, é obscura e provavelmente inadequada. As contas da organização parecem ser usadas como se fossem pessoais, apontando para o uso potencialmente ilícito dos recursos sindicais. Este abuso de posição poderia fornecer um método eficaz para desviar fundos para atividades ilícitas”, diz trecho do documento.

Paulo Henrique também é acusado de usar o Sindarf para lavar dinheiro para o Comando Vermelho.

Leia mais - Paulo Henrique nega ter ajudado a liberar shows organizados pelo CV em Cuiabá: "Vereador não libera alvará"

Alvo da Ragnatela

O vereador teve a “vida revirada” após ser alvo da Operação Ragnatela, deflagrada na quarta-feira (5). Ele é acusado de facilitar a liberação de licenças e alvarás para casas noturnas usadas em um esquema de lavagem de dinheiro para a facção.

Um policial penal e fiscal da Prefeitura de Cuiabá também foram alvo de buscas e afastados das funções por participarem do esquema.

Leia mais: Organograma revela função de cada membro de grupo que lavava dinheiro do CV em casas noturnas

Comente esta notícia