Cuiabá, 09 de Dezembro de 2022
logo

23 de Novembro de 2016, 20h:14 - A | A

POLÍCIA / GREVE NO SISTEMA PRISIONAL

Agentes não recebem detentos e são ameaçados de prisão

Em greve desde segunda-feira, servidores rejeitaram ordem judicial; movimento é por melhoria na estrutura de unidades prisionais

LUIS VINÍCIUS
DA REPORTAGEM



>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Em greve desde a última segunda-feira (21), os agentes penitenciários de Mato Grosso estão irredutíveis na manutenção da paralisação das atividades, embora o Tribunal de Justiça tenha declarado a ilegalidade do movimento. A greve tem data de validade: vai até a próxima sexta-feira (25).

A partir do momento em que cruzaram os braços, os servidores de plantão decidiram radicalizar no protesto e se recusaram a receber presos nas unidades da Capital e do interior do Estado.

Nesta quarta-feira (23), um oficial de Justiça tentou, em vão, no começo da noite, fazer cumprir uma ordem para que presos encaminhados por delegacias fossem recolhidos no Centro de Ressocialização de Cuiabá (antiga Cadeia Pública do Carumbé).

O pedido foi rejeitado e o oficial reafirmou a ameaça de pedir a intervenção da Polícia Militar. Pelo menos 30 agentes prisionais mantêm o protesto em frente ao CRC.

A ordem judicial é no sentido de que as unidades recebam os presos que estiveram em audiência de custódia no Fórum.

O presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários de Mato Grosso (Sindspen), João Batista, disse ao que uma das decisões tiradas da assembleia-geral da categoria, na semana passada, é de que, enquanto o movimento for mantido, os plantonistas não receberão presos nas unidades, em todo o Estado.

“A sociedade já sabe que não estamos em greve por aumento de salários. Estamos reivindicando a melhoria da estrutura das unidades prisionais, aumento de efetivo, para garantir a segurança não apenas dos presos, como dos seus familiares, durante visitas”, disse o presidente.

João Batista alegou que a carceragem dos Centros Integrados de Segurança  de Cuiabá (Cisc) e do Fórum Criminal têm estrutura suficiente para abrigar esses presos.

A greve

Os agentes penitenciários de Mato Grosso decidiram paralisar as atividades durante cinco dias. A greve começou na segunda-feira (21) e vai até sexta-feira (25).

A decisão foi tomada em assembleia-geral realizada na quinta-feira (17), na sede do sindicato, em Cuiabá.

Com a paralisação, as visitas de familiares e advogados ficaram suspensas. A escolta de presos também não funciona.

A categoria reivindica a realização de concurso público, a compra de fardamento (como coletes balísticos e viaturas), além de autorização para pagamento da jornada voluntária.

A Justiça considerou ilegal o movimento dos agentes. A decisão do desembargador Dirceu dos Santos atendeu ao pedido do Governo do Estado para declarar a ilegalidade da greve, considerando que os servidores do Sistema Penitenciário ocupam uma posição diferenciada no âmbito do serviço público.

O Estado havia sido notificado sobre a paralisação no dia 17 e acionou a Justiça para que os serviços prestados pelos servidores não fosse prejudicado, acarretando riscos à população. Diante dos argumentos do Estado, a Justiça considerou a paralisação ilegal.

Álbum de fotos

Comente esta notícia

Marcelo 24/11/2016

Enquanto o sistema perece, enquanto o governador bronca de Deus decidindo quem vive e quem morre dinheiro sobra para fazer estradas para o agronegócio!

Agpens PCE/CRC 24/11/2016

A palavra chave no momento pra 2017 é de mudança . Seja no sindspenMT, seja na sejudh . Próximo presidente do nosso sindicato tem que ser alguém que una a categoria, que seja um líder . Mudança geral .

Joseagepen 24/11/2016

Quanta, ignorância juntada a estupidez somada a puxa-saquismo desse tal Antônio, o governo tem sim dinheiro, mas prefere investir tudo nas polícias, e o resto que se explora

Sinop 23/11/2016

Revolta geral péssima gestão Fim do mandado do imperador E sua corja

Luciano 23/11/2016

Simplesmente o governador perdeu sua função aqui no estado um homem que não respeita as leis e quer que todo mundo se ajoelhe pra ele acha que é o cara. Quem manda no governo é Paulo Taques toda a imprensa sabe

Água boa 23/11/2016

E unânime fora adjunto fora secretario fora super [email protected]@##$$

Mata grande 23/11/2016

Você foi ilusão senhor adjunto ILUSÃO PURA

Capao 23/11/2016

Pede pra sair fernando Assuma que você não deu conta Decepção do sispen

PCE 23/11/2016

Traira Traira Traira Traira Volta traira seu lugar está guardadinho

Crc 23/11/2016

E Agepen adjunto traira você volta o cargo não é pra sempre e você está perto de pular estamos te esperando tem um corredor cumprido pra você reaprender a fechar e abrir cadeado

13 comentários

1 de 2
Última