facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 19 de Junho de 2024
19 de Junho de 2024

17 de Novembro de 2022, 14h:41 - A | A

PODERES / GRAMPOLÂNDIA PANTANEIRA

Polícia indicia Taques e Coronel Siqueira por obstruir investigações sobre escutas ilegais

Inquérito foi instaurado com o objetivo de apurar possíveis interceptações telefônicas em Lucas do Rio Verde

THAIZA ASSUNÇÃO
DO REPÓRTER MT



A força-tarefa da Polícia Civil que investiga o esquema de escutas telefônicas ilegais, que ficou conhecido como “Grampolândia Pantaneira”, indiciou o ex-secretário-chefe da Casa Civil, Paulo Taques, e o ex-chefe da Casa Militar, coronel da PM Airton Benedito Siqueira Júnior, pelo crime de obstrução de Justiça.

O inquérito policial nº 49/2017 foi encaminhado ao Poder Judiciário nesta quinta-feira (17). Em relação a Siqueira, os fatos deverão ser apurados pela Justiça Militar.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

O inquérito foi instaurado com o objetivo de apurar possíveis interceptações telefônicas ocorridas em Lucas do Rio Verde (354 km ao norte de Cuiabá), no ano de 2016.

Durante as investigações, foi possível constatar suposto crime de obstrução de Justiça praticado por Paulo Taques, além de outros delitos da esfera militar, atribuídos a Siqueira.  

Segundo a delegada responsável pelas investigações, Ana Cristina Feldner, os fatos envolvendo a “Grampolândia Pantaneira” foram desmembrados em sete inquéritos.

“Mesmo diante da complexidade envolvendo cada procedimento, a força-tarefa encaminhou para o Poder Judiciário mais um inquérito policial, sem prejuízo das investigações estarem em adiantada análise quanto aos demais”, disse a delegada.   

Participam da força-tarefa os delegados Renato Resende e Romildo Nogueira, coordenados pela delegada Ana Cristina Feldner.  

Comente esta notícia