Cuiabá, 12 de Agosto de 2022
logo

24 de Dezembro de 2017, 16h:24 - A | A

PODERES / R$ 4,5 MILHÕES

Justiça proíbe Piran de cobrar dívida de membros da família Malouf

Segundo a juíza Olinda de Quadros Altomare Castrillon, a suspensão da dívida é uma forma de evitar que haja “danos excessivos” ao patrimônio de ambas as partes.

DA REDAÇÃO



A Justiça decidiu suspender uma cobrança no valor de R$ 4,5 milhões feita pela família Piran, contra membros da família Malouf referente a um empréstimo de R$ 2 milhões contraído no ano de 2015. 

A decisão, em caráter liminar, foi proferida no último dia 15 pela juíza Olinda de Quadros Altomare Castrillon, da 11ª Vara Cível de Cuiabá, e atendeu pedido dos empresários José Charbel Malouf, o "Zezo", e de seu filho José Malouf Neto, que atuam no ramo imobiliário de Mato Grosso. 

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Segundo o documento, a suspensão da dívida é uma forma de evitar que haja “danos excessivos” ao patrimônio de ambas as partes. Por esse motivo, a magistrada mandou suspender “todas as notas promissórias em discussão no feito, bem como a suspensão dos contratos de compra e venda de imóveis, sob pena de aplicação das medidas necessárias para a efetivação da tutela”. 

No processo consta que a família Maluf solicitou junto a Piran um empréstimo de R$ 2 milhões mediante taxa de juros de 6,37% resultando numa dívida final de R$ 3,16 milhões parcelada em 15 vezes de R$ 211 mil. 

Como garantia, segundo José Maluf, foram ofertados oito apartamentos em construção no Edifício Residencial New Avenue, em Cuiabá, avaliados em R$ 4,2 milhões. Maluf explica ainda que pagou R$ 1,1 milhão por meio de cheques, porém ainda falta o restante. Mas, Piran questiona o valor do débito. 

À época, o dinheiro foi solicitado por Fernando Piran, Aline Camila Piran, Délia Rocha dos Santos, Ronaldo Silva Jardim, Juliana Justina Piran Jardim, ligados à empresa FLP Assessoria e Consultoria Eirelli - ME. 

Essa dívida foi o motivo de discussões e uma delas terminou em agressão dentro de um dos elevadores do Shopping Goiabeiras, quando a empresária Aline Camila Piran foi atingida por um soco e denunciou Zezo pela agressão sofrida.

 

 

Comente esta notícia

Willian 25/12/2017

Olha, não entendo nada de lei, mais isso está muito estranho. Se a juíza tivesse emprestado dinheiro para alguém, agora fosse cobrar, isso é ilegal?...

1 comentários

1 de 1