facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 17 de Julho de 2024
17 de Julho de 2024

22 de Outubro de 2017, 09h:59 - A | A

PODERES / GRAMPOLÂNDIA

Cabo da PM confessa que operava sistema de grampos de dentro do Gaeco

O cabo está preso desde maio, acusado de ser um dos integrantes do esquema, que teria a participação de outros oficiais.

DA REDAÇÃO



Em depoimento aos delegados Flávio Stringueta e Ana Cristina Feldner, o cabo da Polícia Militar, Gerson Correa, afirmou que operou o sistema de interceptações ilegais de dentro da sede do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco). O fato teria acontecido em 2014, quando Gerson estava lotado no local. As informações são do site MidiaNews.

“Nesse período, eu estava lotado no Gaeco, fazia dupla jornada. Com o surgimento da plataforma Sentinela, facilitou muito o trabalho porque o acompanhamento era operado pela web. Então, eu realizava algumas escutas na sede do Gaeco mesmo”, afirmou.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

O cabo está preso desde maio, acusado de ser um dos integrantes do esquema, que teria a participação de outros oficiais. Na quarta-feira (11), o desembargador Orlando Perri, do Tribunal de Justiça, determinou uma nova prisão preventiva contra ele, após pedido dos delegados Ana Cristina Feldner e Flavio Stringueta.

Gerson é apontado como o operador principal do sistema de interceptação. O empresário José Marilson da Silva, responsável por desenvolver o sistema, afirmou que Gerson quem retirou o equipamento  de sua empresa.

Prisões

Atualmente, todos os acusados no depoimento estão presos preventivamente por ordem do desembargador Orlando Perri - do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT).

Os ex-secretários de Estado, coronel Evandro Lesco (Casa Militar) e Rogers Jarbas (Segurança) estão presos no Batalhão de Ronda Ostensiva Tática Metropolitana (Rotam) e Polinter, respectivamente.

O 2º sargento da Polícia Militar João Ricardo Soler está detido em Várzea Grande.

Paulo Taques e o coronel Siqueira Júnior (ex-secretário de Segurança) seguem presos no Centro de Custódia da Capital (CCC).

Todos foram presos no dia 27 de setembro, durante a Operação Esdras, por tentativa de obstrução à Justiça e interferência na investigação dos “grampos”.

 

 

 

Comente esta notícia