facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 19 de Junho de 2024
19 de Junho de 2024

15 de Novembro de 2022, 06h:06 - A | A

OPINIÃO / ARNO SCHNEIDER

Bovinos não são vilões



Vejam só algumas preciosidades que foram publicadas recentemente em jornais de circulação nacional e universidades.
- “A pecuária responde por 51% da crise climática”
-“O seu churrasco é o grande motor da devastação da Amazônia”
- “A produção de um quilo de carne bovina consome 15 mil litros de água”
- “As emissões bovinas estão muito próximas das emissões promovidas pela extração, refino e queima de combustíveis fósseis”

De tão absurdas que são essas afirmações, parecem que foram produzidas num ambiente totalmente idiotizado.

A pecuária de corte ainda é o setor do agro mais criticado pela comunidade em geral e também por articulistas de grandes jornais, ambientalistas e celebridades. Sustentabilidade ambiental, saúde humana pelo consumo da carne e bem estar animal são os principais alvos.

Com relação a sustentabilidade ambiental as críticas estão se esvaziando em função de novos conhecimentos científicos sobre o metano e por erros nas métricas recomendadas pelo Painel do Clima para calcular o balanço do carbono da pecuária, na minha opinião totalmente equivocadas.

Felizmente parece que já há um consenso de cientistas para que nessa Conferência do Clima que está sendo realizada no Egito, essa equação matemática seja modificada de uma maneira que possibilite um cálculo condizente com a realidade. Vamos aguardar o relatório final.

Também temos pouco a ver com o desmatamento. A pecuária é tão somente o projeto do agro mais apropriado para ser instalado numa área recém desmatada. Nem o setor pecuário nacional nem os pecuaristas tem culpa pelos malucos que insistem em desmatar ilegalmente a floresta.

Com referência à saúde humana pelo consumo da carne, a algumas décadas atrás, pesquisas médicas indicavam problemas cardíacos e aumentos nas taxas de colesterol.

Seguindo o mesmo caminho do ovo, novas pesquisas já estão indicando que a carne é uma preciosa fonte de vitaminas, minerais e proteínas. Atualmente seu consumo é incentivado pela medicina. A grande epidemia atual é a obesidade e suas consequências, que podem ser facilmente combatidas com dietas menos calóricas e mais proteicas, contidas nas carnes.

Temos um eficiente Serviço de Inspeção Federal (SIF) instalados em todos os frigoríficos que fiscalizam todos os abates, eliminando praticamente qualquer possibilidade descontaminação humana.

O terceiro motivo das críticas que sofremos e que estão se intensificando pelo esvaziamento dos argumentos na questão ambiental e na saúde humana, é o bem estar animal. Afirmam que os bovinos estão sendo criados em condições contrárias a sua natureza e
com desconforto ambiental.

A realidade porém é outra. Os bovinos são criados soltos nas pastagens com comida e água à vontade. Protocolos sanitários, com vacinas e vermífugos, são observados rigorosamente. O pecuarista tem total consciência de que qualquer condição que perturbe o conforto animal,resulta em redução da produtividade.

Tecnologias mais eficientes de baixo carbono estão tornando nossa pecuária mais produtiva e sustentável. Podemos consumir a carne todos os dias sem nenhuma restrição, com a certeza de estar consumindo um alimento saudável e além de tudo muito saboroso.

Há um equívoco muito grande das pessoas que ainda acreditam que a atividade pecuária e o consumo da carne possuem qualquer conflito com o bem estar animal, saúde humana ou ao ambiente.

Finalizando, diria que o nosso rebanho bovino é feliz.

Arno Schneider é Engenheiro Agronomo e pecuarista

>>> Siga a gente no Twitter e fique bem informado

Comente esta notícia