ReporterMT - Mato Grosso em um clique

Terça-feira, 15 de Novembro de 2011, 08h:26

Deputado critica a falta de políticas na atração de empresas

Carlos Avalone diz que é preciso oferecer benefícios para que empresas se instalem em MT

MAYARA MICHELS

Segundo o deputado Carlos Avalone (PSDB), Mato Grosso não possui políticas capazes de atrair grandes empresas de se instalarem no Estado. “Não temos estradas, ferrovias, portos, e também não temos estruturas. O único jeito de atrair essas grandes empresas é com o incentivo fiscal”, apontou o deputado. Para ele, é necessário fazer esta compensação até porque, Cuiabá está distante a mais de 2mil km dos principais portos do país.

O parlamentar chama atenção da população que precisa entender que o incentivo em primeiro lugar, é bom para sociedade por conta da geração de empregos e outros benefícios. “A Gabriela fechou a fábrica em Mato Grosso e abriu no Paraná, quem perdeu com isso? A sociedade, mais de 500 funcionários perderam seus empregos”, revelou.

O deputado disse que não tem pretensão de atrair as grandes fábricas, como as montadoras de veículos, e sim, indústrias que o estado já produz a matéria prima, como é o caso do beneficiamento do algodão, soja, leite, frango entre outros.

Está marcada para próxima quinta-feira (17), uma audiência publica solicitada pelo deputado no sentido de esclarecer pontos referentes à concessão de incentivos fiscais. Será discutida a importância deles para atrair empresas para o Estado e como contribuir para o crescimento do Estado. “Nossa intenção é explicar o que são os incentivos, como funcionam e a necessidade de se ampliar os benefícios de maneira igual”, afirmou Avalone.

Ainda de acordo com o parlamentar, é preciso atrair empresas, mas não esquecendo os empresários locais. Os incentivos tem que beneficiar toda a cadeia produtiva do Estado, desde o pequeno produtor até a indústria. Hoje em dia MT conta com vários programas de incentivos como Pró-madeira, Pró-café, Pró-arroz e outros.

Cada incentivo fiscal dado a uma empresa, parte do que não era recolhido para o ICMS era destinado para o Fundo de Desenvolvimento Industrial e Comercial (Fundeic) que garantia recurso para ajudar os pequenos produtores e comerciantes.