Cuiabá, 12 de Agosto de 2022
logo

10 de Dezembro de 2017, 14h:47 - A | A

GERAL / AVALIADO EM R$ 1,1 MILHÃO

Sem interessados, Justiça vai fazer 'promoção' para leiloar apartamento de Nadaf

Nenhum dos oito arrematadores homologados no pregão apresentou lance para comprar o apartamento, localizado no Edifício Monreale, no bairro Quilombo, área nobre de Cuiabá.

RAFAEL DE SOUSA
DA REDAÇÃO



Não foi desta vez que a 7ª Vara Criminal de Cuiabá conseguiu leiloar o apartamento do ex-secretário da Casa Civil Pedro Nadaf, avaliado em R$ 1,170 milhão, confiscado pela Justiça nas quatro fases da Operação Sodoma – que investigou um esquema milionário de desvio de dinheiro público na gestão do ex-governador Silval Barbosa (PMDB).

A Justiça deve realizar nos próximos meses uma segunda tentativa para leiloar o apartamento, sendo que o valor do bem será reduzido para R$ 936 mil. A data ainda não foi definida.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

O leilão foi determinado pela juíza Selma Rosane Arruda, que conduz o processo, com o objetivo de ressarcir os cofres públicos do Estado, porém, nenhum dos oito arrematadores homologados no pregão apresentou lance.

O apartamento fica localizado no Edifício Monreale, no bairro Quilombo, área nobre da Capital, e é apenas um dos 27 imóveis do ex-secretário destinados a leilão, no acordo entre Nadaf e a Procuradoria-Geral da República (PGR), homologado pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Leilão de gado

No dia 28 de julho do ano passado a Justiça conseguiu leiloar todas as 714 cabeças de gado pertencentes Pedro Nadaf, por R$ 743,4 mil.

O leilão também era para garantir dinheiro para ressarcir os cofres públicos. Quando rebanho foi apreendido o ex-secretário disse que teria pago R$ 100 mil, mas após uma avaliação da Justiça o preço foi estimado em cerca de R$ 800 mil.

As cabeças de gado foram descobertas em uma fazenda depois da delação premiada do ex-secretário César Zílio à Delegacia Fazendária (Defaz). Ele contou que Nadaf queria ocultar a origem do dinheiro e por isso teria adquirido o rebanho que ficava “escondido” em sua fazenda. Para manter os bois no pasto Nadaf pagava uma quantia mensal para Zílio como “aluguel” do local. 

Zílio relatou que inicialmente eram 1,2 mil cabeças de gado, estavam distribuídas nas fazendas Campo Alto e Santa Bárbara, mas 486 já teriam sido vendidas para pagar os custos da permanência dos bois, quando a operação foi desencadeada.

Nadaf foi preso na mesma operação junto com o ex-governador Silval Barbosa e o também ex-secretário de Estado, Marcel de Cursi, em setembro de 2016.

 

 

Comente esta notícia