facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 15 de Julho de 2024
15 de Julho de 2024

09 de Junho de 2024, 17h:45 - A | A

ENTREVISTA / O PODER DO LEITE MATERNO

Pesquisa da UFMT mostra que bebês amamentados por mais tempo correm menos risco de ter infecções e problemas renais

De acordo com a ONU, o aleitamento materno deve ocorrer até os primeiros 6 meses da criança, sendo que o ideal é até 2 anos ou pouco mais

KARINE ARRUDA
DO REPÓRTER MT



A Organização das Nações Unidas (ONU) recomenda que os bebês sejam amamentados pelo menos até os 6 meses, sendo que o ideal é de 2 a 2,5 anos, mas diante das inúmeras dificuldades enfrentadas pelas mamães, nem sempre cumprir essa recomendação é possível. Porém, é importante ressaltar que o leite materno, por ser o alimento mais rico e completo em nutrientes, fortalece o sistema de defesa dos pequenos e pode evitar diversas doenças da infância.

Entre elas, estão doenças como alergias, infecções respiratórias, diarreias e até mesmo problemas renais. Isso é o que aponta um estudo feito por pesquisadores da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). De acordo com a doutora Adenilda França, que é professora do Instituto de Ciências da Saúde da UFMT, quanto maior o tempo de amamentação, menores são os riscos de saúde ao qual os bebês estão sujeitos.

“As crianças que são amamentadas têm menores índices de doenças renais em função que os componentes do leite são adequados para a idade dela, não há uma sobrecarga renal no início da vida. As crianças amamentadas têm uma maior atividade cognitiva, além da imunidade”, esclareceu a pesquisadora em entrevista ao RepórterMT.

Confira:

Assista a entrevista na íntegra:

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Comente esta notícia