Cuiabá, 30 de Junho de 2022
logo

Quarta-feira, 02 de Novembro de 2011, 20h:25 - A | A

QUOTAS PARA ESCOLA PÚBLICA

Aray Fonseca vai à Justiça para barrar decisão da UFMT

O deputado estadual Aray Fonseca, do recém criado Partido Social Democrático (PSD), disse que irá recorrer à Justiça para tentar reverter a decisão da UFMT em criar reserva de 50% das vagas para estudantes de escolas públicas e negros também oriundos do ensino público. De acordo com o deputado, “a decisão da UFMT é um absurdo”. Ele disse que o sistema de cotas trará conflitos sociais “que ainda não tem no Brasil e que no exterior tem”. Agora, cabe a pergunta: O que um deputado estadual tem a ver com política educacional de uma entidade federal? 

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

>>> Receba notícias no Telegram e fique bem informado

Comente esta notícia

Priscila Antures 09/11/2011

Alguém tem que fazer alguma coisa. Todo mundo cruza os braços e esquece que a cota só reafirma o preconceito que já existe no mundo todo e ainda mais no Brasil. O necessário é investir na educação de qualidade a todos para que todos tenham acesso, sem distinção de raça, cor ou etnia. Se o deputado não tem nada a ver com isso, quem tem?

Ana 06/11/2011

Sou afro descendente e conclui todos os meus estudos fundamental e médio em escola pública e o universitário na UFMT, mas sou totalmente contra o sistema de cotas!!! Parabéns ao deputado pela iniciativa, não existe atitude mais discriminatória que o sistema de cotas que a UFMT está implantando, o que vai acabar acontecendo é a falência do sistema educacional universitário, pois a maioria desses alunos que vem de escola pública não tem a base necessária, devido a uma educação básica fracassada, uma pedagogia de FAZ DE CONTA... falo isso pois da minha turma de 40 alunos, 25 eram de escola pública e desses apenas 2 terminaram... os outros desistiram antes de chegar na metade do curso! Eu mesma tive que pagar muita aula particular e me esforçar muito para conseguir acompanhar o ritmo dos professores da UFMT. Na verdade estão mascarando o principal problema da educação, que deve ser prioridade no Brasil, salários dignos aos professores, investimento em educação e a situação vai mudar!!! Bom exemplo é o IFMT antigo CEFET, que ficou em terceiro lugar no Emem no estado de MT, quanto ganha um professor do CEFET e um da rede municipal com mesma carga horária??? Melhorem os salários e as escolas públicas terão os melhores professores! Oque a UFMT está fazendo com as cotas é exatamente o que o governo quer... enquanto a sociedade fica na eterna discussão das cotas e não cobram mais investimento em educação, eles deitam e rolam com as verbas que deveriam, ser aplicadas na educação, saúde, etc...

Michelle 03/11/2011

Sistema de cotas é ofensivo! Não é justo para com os estudantes. Temos mesmo que nos levantar contra essa triste resolução. A justiça está acima de todos!

Cristiane 03/11/2011

Concordo com a Ana, é isso mesmo. A UFMT não está dando nada de graça, está apenas dando uma oportunidade para que a competição seja mais justa.

Bene 02/11/2011

Alguem tem barrar isso. O sistema de quotas e ofensiva, está implicito ou reservar a quota que a UFMT acredita que os negros não podem competir de igual para igual com os demais. Quanto a escola pública, se o ensino é deficitário, abrir quotas não vai solucionar o problema da formação.

5 comentários

1 de 1